ADEUS ANO VELHO FELIZ ANO NOVO

30

dez

Ao final de um ano, não são somente planos que estão na pauta, estão também a reflexão de todo o ano, de toda a vida.


 

Adeus, ano velho!
Feliz ano novo!
Que tudo se realize
No ano que vai nascer!
Muito dinheiro no bolso
Saúde pra dar e vender!

Para os solteiros
Sorte no amor
Nenhuma esperança perdida

Para os casados
Nenhuma briga
Paz e sossego na vida

Fim de Ano (gravado em 1951 Odeon) João Dias. Composição: Francisco Alves e David Nasser

 

Eu não tenho dificuldades de desejar a todos um feliz ano em 2017 nos termos da música de João Dias, mas creio que eles são secundários, a não ser “paz e sossego na vida”, que todos almejam.  Que tudo se realize é muito vago, com muito dinheiro no banco também o é, assim com saúde para dar e vender. O dinheiro pode comprar uma casa, mas não um lar, pode comprar poder, mas não fidelidade, pode comprar pessoas, mas não amigos verdadeiros, pode comprar amores, mas não amor. Pode viabilizar bons médicos e bons hospitais, mas mesmo assim ainda não garantirá a saúde. E, não pode comprar o Reino de Deus e a Salvação, não está à venda: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie. (Efésios 2.8,9).

Também não acredito em sorte e nem nos astros. Dois amigos se encontraram no aeroporto e iam viajar no mesmo voo. Um deles passou na banca e comprou o jornal para ver se naquele dia os astros lhe eram favoráveis para viajar. Descobre ao ler que para o seu signo o dia é péssimo para viagens. Diz então para o outro que vai voltar ao guichê e tentar devolver a passagem. O outro então lhe pede para ler o jornal e lê o seu signo. Lá os astros dizem que o dia dele está maravilhoso para viajar. Os dois caem em si e vêem que ninguém a não ser Deus é capaz de saber o dobrar da próxima esquina e não aqueles que acham que o podem ler através dos astros.

 Ao final de um ano, não são somente planos que estão na pauta, estão também a reflexão de todo o ano, de toda a vida. Afirmo, tão importante como os planos para 2017 está à retrospectiva do que passou: “aquele que esquece o seu passado, sem aprender com ele, terá a tendência em repeti-lo novamente”.

Com o progresso o homem deveria ter alcançado a justiça, com a ciência a deveria ter alcançado a bondade, mas isto não aconteceu. O homem não aprendeu com as guerras, não aprendeu com a fome, com as doenças. Ele sofisticou as máquinas de guerras, e sujeitou a natureza a seus caprichos, mas se tornou a própria vítima.

A Contigrejas deseja a todos um 2017 cheio de graça de do amor de Deus, e paz que não perturba, a que somente Jesus Cristo pode dar:  Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; eu não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize. (João 14.27) 

 

Pr. Roque Carvalho

 



Comente: