DE VOLTA AO PASSADO?

23

jun

O paradoxo é que nós não iremos para o futuro, mas ao estaremos de volta ao passado, o futuro é voltar para o passado. O passado curado, perdoado, restabelecido. Que fantástico!


DE VOLTA AO PASSADO?

Creio que o ser humano constrói jardins para tornar o mundo mais bonito. Seja numa pequena varanda, ou num terraço, em jarros, baldes, latas, todos tentam viver entre jardins. As flores são tentativas de amenizar a dor, a perda, por isso se enfeita o caixão de que se foi.  A construção de jardins se dá pela utopia de construir um lugar belo, multicolorido, cheio de vida, de sonhos. Num jardim há cheiro de vida, desejo de estar, passear, sentir o perfume das flores, o ar puro da manhã e o frescor da tarde.

 

No entanto, eu vou mais além. Para mim o desejo do ser humano em construir jardins vem de desejos e tempos muitos mais distantes. Tem a ver com as nossas origens, de onde viemos, de sentido que carregamos de nossos protótipos, Adão e Eva, que viveram no jardim mais lindo construído pelo próprio Deus, (Genesis 2.15)

 

Tinham tudo o que desejavam, mas “alguém” entrou no jardim, e disse que Deus os estava enganando, que eles podiam muito mais, ser como Deus. Como tinha também a liberdade de escolher, tomar decisões, “serem donos do próprio” nariz. Ao desobedecer a Deus fizeram uma escolha, escrever a própria história, viver segundo suas próprias escolhas longe de receber palpites do criador. Agora o ser humano tinha a prerrogativa do bem e do mal, mas também a prerrogativa da vida e da morte. Construíram o mundo atual com todas as contradições e tentam através da construção de jardins para amenizar a dor e as adversidades

 

Mas, como disse uma criança à outra quando ouviam a história dramática da luta entre Davi e Golias, e uma ficou assustada com o tamanho do gigante, — Não tenha medo, esta é uma história da Bíblia e na Bíblia tudo sempre termina bem. Sim, Deus nos promete levar de volta ao jardim. O livro de apocalipse termina com o céu em forma de cidade e no meio da cidade um jardim: “Vi novos céus e nova terra”, (apocalipse 21.1, 22.1-21) O que é interessante é que não é o fim, mas um novo começo.

 

A Bíblia nos leva ao fim contrariando a lógica, com um novo começo. O fim é lugar aonde recomeçamos. O fim é a retomada do começo interrompido. O céu vem em forma de cidade com um belo jardim. Entramos nele em Gênesis e voltamos a ele em Apocalipse. O paradoxo é que nós não iremos para o futuro, mas ao estaremos de volta ao passado, o futuro é voltar para o passado. O passado curado, perdoado, restabelecido. Que fantástico!

 

Em Apocalipse 21 É declarada a vida de volta ao jardim: Deus enxugará todas as lágrimas dos nossos olhos, não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, não haverá mais noite, ela não precisa nem sol e nem da lua, não haverá a maldade, e nem impureza.

 

Esta cidade, com esse lindo jardim, é construída por Deus. Não é a cidade onde filhos morrem, as crianças são brutalizadas pelas guerras, pela fome, onde os velhos são desrespeitados, o pobre é violentado em seu direito, esmagado e ultrajado. Não é a cidade onde os homens e mulheres não se entende e não se respeitam. Não é a cidade com portas de aço, muros e grades.  Não é a cidade cheia de violências e disputas, com desigualdades sociais, todos são iguais. Não há câmeras vigiando e nem seguranças armados, quem dá segurança é Deus, quem a governa é Deus. Não é o mundo de Toquinho e Vinícios que “descolorirá”. Não há mais corrupção, haverá justiça baseada em princípios corretos. Assim eu creio, e espero.

 

Pr. Roque Carvalho



Comente: