OS SETE PECADOS CAPITAIS

01

nov

Na lista de pecados capitais, o orgulho, a soberba, que ocupa um lugar de destaque, é considerado, o “vício” fundamental, o mal supremo.


A lista dos sete pecados capitais não consta da Bíblia Sagrada. Foi o monge grego Evagrius do Ponto, no contexto do movimento monástico no deserto do Egito do século IV quem primeiro identificou o que considerava as principais paixões humanas, num total de oito. No século VI o papa Gregório Magno consolidou a lista clássica registrada no Catecismo do catolicismo romano. A intenção era compreender e controlar os instintos humanos básicos.

Mais tarde, outros teólogos analisaram novamente a gravidade dos pecados e fizeram uma nova lista. Desde o século XVII, a lista dos pecados capitais mais aceita, está assim estabelecida: orgulho ou soberba, avareza, luxúria, ira, gula, inveja e preguiça. O Vaticano publicou em seu jornal oficial, o “L’Osservatore Romano”, os novos pecados capitais, próprios do mundo contemporâneo, com uma aplicação que vai além dos direitos individuais e com uma dimensão social: manipulação genética, uso de drogas, desigualdade social e poluição ambiental.

Na lista de pecados capitais, o orgulho, a soberba, que ocupa um lugar de destaque, é considerado, o “vício” fundamental, o mal supremo. A devassidão, a ira, a cobiça, a embriaguez e tudo o mais não passam de ninharias comparadas com ele. É por causa do orgulho que o diabo se tornou o que é. O orgulho leva a todos os outros vícios; é o estado mental mais oposto a Deus que existe.

Para o escritor C. S. Lewis, que escreveu as Crônicas de Nárnia, o orgulho é um pecado que todos detestam nos outros, e do qual quase ninguém… tem a consciência de que o comete. Há pessoas que admitem ter mau gênio, que sabem que perdem a cabeça em se tratando de mulher ou de bebida, e que reconhecem até mesmo que são covardes. Mas esse pecado [o orgulho], dificilmente alguém admitirá.

O orgulho foi o primeiro pecado cometido pelos seres humanos. Ele teve sua origem em Lúcifer, o filho da manhã, o qual o passou à mãe de nossa raça. É um pecado universal da raça humana, e tão natural ao homem pecador, que ele cresce no coração como erva daninha numa plantação

Não há prazer no orgulho em possuir algo somente, mas apenas em possuir mais do que o próximo. Dizemos que alguém tem o orgulho de ser rico, ou de ser inteligente, ou de ter boa aparência, mas não é assim. A pessoa tem o orgulho de ser mais rica, mais inteligente, ou de melhor aparência do que os outros. Se todo o mundo se tornasse igualmente rico, inteligente ou de boa aparência, não haveria nada do que se orgulhar. É a comparação que nos torna orgulhosos: o prazer de estar por cima dos outros. Não havendo o fator competição, o orgulho desaparece.

A Bíblia nos dá vários conselhos quanto ao orgulho, a soberba:

Tiago 4:6: “Antes da maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos; dá, porém graça aos humildes”.

Provérbios 16:18: “A soberba procede a ruína, e altivez do espírito precede a queda”.

Provérbios 11:2: “Vindo a soberba, virá também a afronta; mas com os humildes está a sabedoria”.

Deus no livre desse pecado tão devastador

Roque Carvalho.



Comente: