PASTORES E PASTORAS PODEM RECEBER SALÁRIOS?

18

nov

Deve ficar claro que o cargo pastoral, feminino ou masculino, não é uma profissão, é uma vocação.


PASTORES E PASTORAS PODEM RECEBER SALÁRIOS?

Quando se fala de ministério pastoral deve-se ter em mente que é o Espirito Santo de Deus é quem dá os dons a igreja (1ª Co. 12.11), visando o bem comum (1ª Co. 12. 7). Para exercer este Oficio tão nobre os pastores e pastoras necessitam dos dons (1ª Co. 12.28-30). Portanto, o ministério pastoral não é uma profissão, mas uma vocação.

Pastores e pastoras não recebem salários. O decreto nº 7.107 de 11 de fevereiro de 2010, no artigo 16 parágrafo I previsto pela Lei Brasileira sobre os ministros…, não gera, por si mesmo, vínculo empregatício.

Deve ficar claro que o cargo pastoral, feminino ou masculino, não é uma profissão, é uma vocação. Pastores e pastoras não são funcionários de suas igrejas, eles não têm patrões, são vocacionados e trabalham por amor Jesus Cristo e para exercerem o ministério necessitam de sustento.

 

Pastores e pastoras recebem Prebendas, ou Renda Eclesiástica, (Nome utilizado ao rendimento que recebe o pastor, o bispo e outros que ocupam cargos eclesiásticos) rendimento que deve ser inserido nos relatórios mensais realizados pelos tesoureiros ou tesoureiras. Prebenda é direito do “ministro de confissão religiosa”: “Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. Digno é o obreiro do seu salário” (I Timóteo 5.18).

Pr. Roque Carvalho



Comente: